Av. Fernão de Magalhães vai beneficiar de obra profunda
20-09-2018
A Avenida de Fernão de Magalhães vai ser objeto de uma intervenção profunda de reabilitação urbana, no eixo entre o Campo 24 de Agosto e a Praça Francisco Sá Carneiro. As obras avançam ainda este mês e serão divididas em quatro fases. O tempo estimado da empreitada é de 540 dias.

Será indubitavelmente uma intervenção que irá recuperar a qualidade urbanística, ambiental e socioeconómica deste tramo da Avenida de Fernão de Magalhães. Esta manhã, em conferência de imprensa, o presidente da Câmara do Porto, acompanhado por Cristina Pimentel, vereadora com o pelouro dos Transportes, e por Manuel Paulo Teixeira, diretor municipal da Mobilidade e Transportes, sublinhou que se trata "de uma obra estruturante para a cidade", e não de uma mera empreitada de reparação. 


No final da obra, daqui a cerca de ano e meio, a Avenida passará a contar com um corredor bus de alta qualidade, modelo semelhante ao que muitas cidades europeias já aplicaram com sucesso e que apelidaram de "metro bus", explicou Rui Moreira. 


Com o objetivo de "melhorar as condições do transporte público e de conforto na cidade", o projeto de arquitetura, da autoria de MVCC Arquitectos - Mercês Vieira e Camilo Cortesão arqs., prevê uma requalificação integral de todo o espaço urbano, incluindo a sua arborização, a par com a introdução de um Corredor de Autocarros de Alta Qualidade (CAAQ), que irá contribuir fortemente para a melhoria das condições de mobilidade do transporte público neste eixo estratégico.

O CAAQ consiste numa via de duplo sentido, destinada ao uso exclusivo do transporte público e munida de um sistema de semáforos de última geração que prioriza a passagem dos autocarros em detrimento dos restantes veículos. As paragens serão igualmente de última geração no que diz respeito às condições informação, conforto e assistência à viagem para o passageiro, e também serão "sobrelevadas", facilitando assim o acesso dos utilizadores ao interior dos autocarros.

"A Avenida Fernão Magalhães teve sempre um grande protagonismo ao nível da mobilidade. É um grande eixo de entrada na cidade por São Roque e sempre teve uma forte carga rodoviária", referiu Manuel Paulo Teixeira. A esta requalificação profunda, acrescentou, presidiram duas vontades: devolver condições de urbanidade a este importante eixo e introduzir um corredor de autocarros alta qualidade. 


Impacto será menorizado com intervenção faseada

A empreitada, que será gerida pela empresa municipal de gestão e obras do Porto - GO Porto, tem um valor de investimento aproximado de 5,2 milhões de euros. Os trabalhos terão início ainda durante o mês de setembro, e um prazo de 540 dias, sendo realizados em quatro fases distintas, de modo a mitigar os impactos no trânsito e no quotidiano dos que habitam e trabalham nesta artéria.

Como adiantou a vereadora Cristina Pimentel, o primeiro troço a ser intervencionado será entre o Campo 24 de Agosto e o Jardim Paulo Vallada, o que significa que o sentido da obra será de sul para norte. Para mitigar o impacto da obra, Manuel Paulo Teixeira sublinhou que "vai-se manter a circulação no sentido ascendente".

Rui Moreira não nega que, "enquanto as obras duram causam constrangimentos" e que, naturalmente, "gostamos sempre delas [as obras] quando já estão concluídas", mas que, não obstante, são absolutamente necessárias. 

Todos os condicionamentos serão previamente comunicados à população, e acompanhados pela polícia.




Beneficiação de arruamentos na cidade 


A conferência de imprensa serviu ainda para fazer um balanço sobre as intervenções realizadas na via pública, desde o ano passado.

Segundo informações prestadas pelo diretor municipal da Mobilidade e dos Transportes, em 2017 realizaram-se 40 obras de repavimentações e melhoria da acessibilidade. Foram beneficiados 48 arruamentos, numa área aproximada de 100 mil metros quadrados, com um investimento de 5 milhões de euros.

Ainda no ano passado, a Câmara do Porto realizou 1600 intervenções corretivas em diversos arruamentos, com um investimento aproximado de 200 mil euros.

Este ano, e até à presente data, foram já realizadas 15 obras de repavimentações e melhoria da acessibilidade em 21 arruamentos da cidade, estando ainda a decorrer três intervenções de grande dimensão, o que totaliza um investimento de 3 milhões de euros. 
Até ao final de junho de 2019, serão iniciadas novas empreitadas de beneficiação de 30 arruamentos, sendo algumas intervenções de âmbito mais alargado no que diz respeito à requalificação. Destacam-se as intervenções da Avenida de Fernão de Magalhães, da Rua de Serralves, e a empreitada conjunta da Rua do Bonjardim, Rua de Guedes de Azevedo e da Rua de Fernandes Tomás, entre a Rua do Bolhão e Rua da Trindade. O investimento correspondente é de 10 milhões de euros.

A requalificação de vias estruturantes da cidade iniciou-se no anterior mandato de Rui Moreira, com as primeiras intervenções a decorrerem na Avenida AEP e na Rua da Constituição.