Concessão e construção da nova ponte sobre o Douro vão ter concurso único
06-01-2020

O lançamento de um concurso único para a conceção e para a construção da futura Ponte D. António Francisco dos Santos sobre o Rio Douro, entre o Porto e Gaia, foi autorizado pelo Tribunal de Contas (TdC) e deverá avançar neste ano.

A possibilidade de unir os procedimentos e realizar apenas um concurso foi revelada a 23 de dezembro pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que disse ter questionado com o seu homólogo de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, o TdC.

"É uma posição que nós temos vindo a acompanhar com a Câmara de Gaia. Nós temos preparados os concursos para a nova ponte, mas estamos a questionar o Tribunal de Contas se, numa obra desta dimensão, não nos autorizam a fazer o concurso de conceção e construção e aí teríamos o preço chave-na-mão", afirmou Rui Moreira na reunião do executivo de 23 de dezembro e hoje recordado pela agência Lusa.

Rui Moreira explicara que, de outra forma, correr-se-ia o risco de o júri escolher um projeto arquitetónico "muito bonito, uma coisa fantástica", mas depois ficar "por aqui", vinculado ao lançamento de um segundo concurso, este de construção, que "de repente dispara", como aconteceu com o Terminal de Campanhã.

Assim, o TdC analisou a situação e "abriu a porta a essa pretensão e o concurso será de conceção e construção. Autorizaram um modelo único de concurso e agora a Faculdade de Engenharia está a acabar os estudos. Acredito que os projetos de especialidade que sustentam o concurso fiquem prontos neste primeiro trimestre e o concurso deve avançar este ano", disse hoje Eduardo Vítor Rodrigues.

Segundo o autarca de Gaia, citado pela Lusa, o TdC advertiu que o modelo de concurso que junta a conceção e a construção pode "limitar a concorrência". Porém, "dada a dimensão do projeto em causa, compreenderam que há vantagens como o facto de ser a mesma equipa, com engenheiros e arquitetos, a trabalhar o projeto do início ao fim", frisou, apontando que o objetivo é "evitar derrapagens de tempo como a da Casa da Música ou a Torre de Belém".

A futura ponte, que será batizada com o nome do anterior Bispo da Diocese do Porto, D. António Francisco dos Santos, foi anunciada em abril de 2018 e irá ligar Campanhã ao Areinho de Oliveira do Douro.

Orçada em 26,5 milhões de euros (ponte e acessos), a sétima ligação do Porto a Gaia, entre as pontes de São João e do Freixo, não terá somente vantagens a nível das melhorias viárias, já que vai ajudar a revitalizar a zona oriental do Porto, a par da reabilitação das pontes Luiz I e D. Maria, incluindo a pedonalização do tabuleiro inferior da primeira e a criação de uma ciclovia na segunda, entre outros projetos.