Já começaram as obras do Centro de Recolha Oficial de Animais em Campanhã
21-05-2018

Está concluída a terraplanagem do terreno onde se erguerá a casa do moderno Centro de Recolha Oficial de Animais, em Azevedo de Campanhã. A obra, aguardada há décadas pelos portuenses, vem substituir o velho canil do Porto, oferecendo condições de excelência para o acolhimento não só dos amigos de quatro patas como também de animais de outras espécies.


Poucos dias depois da consignação da empreitada à empresa municipal de Gestão e Obras do Porto - GO Porto, a construção do Centro de Recolha Oficial de Animais já se iniciou. Em janeiro, o portal de notícias Porto. já havia anunciado que a obra tinha sido adjudicada, informando também ser expectável que a mesma se iniciasse no segundo trimestre de 2018, uma vez que apenas se aguardava o visto do Tribunal de Contas.


Com o calendário previsto a ser cumprido, está agora mais próximo um sonho antigo da cidade. A nova infraestrutura, construída de raiz numa parcela de terreno do Viveiro Municipal (com uma área de aproximadamente 3.000 m2) contempla uma separação física e funcional entre serviços oficiais e de adoção. Vai dispor de um bloco cirúrgico para esterilização de cães e gatos; sala de enfermagem independente para tratamento e acompanhamento clínico dos animais alojados; zonas de exercício e sociabilização; e área de tosquia e higienização.


Para além destas novas valências, o Centro de Recolha Oficial de Animais mais que duplicará a área para as boxes atualmente existentes no atual canil (de 94 boxes para 220). Em articulação com a Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), está ainda garantida a disponibilidade para o apoio ao alojamento de animais em quarentena provenientes de outros países e, sempre que necessário, o acolhimento de outras espécies.


Localizado paredes-meias com o Viveiro Municipal, o futuro equipamento funcionará de forma autónoma deste, não comprometendo a produção de 90% das plantas (árvores, arbustos e herbáceas) utilizadas na cidade. Como clarifica o vice-presidente da Câmara do Porto, Filipe Araújo, responsável pelo Pelouro da Inovação e Ambiente, "o Viveiro Municipal ocupa um terreno com uma área muito grande e que tem dimensão suficiente para albergar o centro de recolha oficial com as valências desejadas, não tendo impacto naquilo que é a sua atividade, até porque terá um acesso dedicado".


Ao critério de oportunidade junta-se também a valorização da zona oriental do Porto. É em Campanhã que estão a nascer obras estruturantes para a cidade, que definitivamente vão contribuir para a criação de uma nova centralidade. Fala-se do Terminal Intermodal, do projeto de reconversão e exploração do Antigo Matadouro Industrial, do intercetor do rio Tinto e da futura ponte D. António Francisco dos Santos.